instituto de pesquisa e estudos do
feminino e das existências múltiplas

contato@ipefem.org.br

+55 (11) 91550-1122

instituto de pesquisa e estudos do
feminino e das existências múltiplas

contato@ipefem.org.br

+55 (11) 96403-0065

Esse tal de home office

imagem_2022-06-13_170311004

UPDATE IMPORTANTE:

As discussões sobre home office, no passado, NUNCA FORAM sobre estrutura: foram, sempre, sobre comando e controle, desconfiança de que os funcionários não iam trabalhar – ou seja, uma recusa a exercitar os lugares de aprendizagem da auto-responsabilidade.

É um fato (e tem um estudo britânico que mostra isso lindamente) que a presença de um chefe, apenas isso, pode aumentar em até QUARENTA POR CENTO a produtividade de um time.

É claro que a desconfiança e a insegurança não vêm do nada. Somos os reis e rainhas do jeitinho, da vantagem, do “vou bater o ponto antes pra ganhar hora extra” – e demora 45 minutos A MAIS pra, efetivamente, começar a trabalhar.

Vida de Recursos Humanos é sobre vida real e sobre tratar as pessoas como ADULTAS – mas, elas também precisam agir como tais.

Agora, indo desse jeito na porrada, uma das boas coisas será essa ressignificação do todo, mas, principalmente, uma aquisição de maturidade individual do ponto de vista laboral – trabalhando em casa, seremos responsáveis, FINALMENTE, por nossa própria motivação.

O tempo da liderança babysitting também está começando a morrer, até que enfim!

———————————————

TEXTO ORIGINAL:

Eu, com 20 anos de Recursos Humanos nas costas, tô aqui só vendo quem dizia “home office não funciona no Brasil” ter que virar uma operação inteira em 15 dias…

– diziam que não tinha tecnologia

– que ninguém ia trabalhar

– que não dava pra controlar

Veio tudo isso e PÁ!!!

“Dá pra trabalhar sim”, eles dizem

Quando tudo isso acabar, as relações de trabalho serão substancialmente diferentes.

Não necessariamente, fáceis.

Acredita em mim <3

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

Dinheiro pra quê?

Pra pagar boleto, óbvio. Pra comprar comida. Pra sustentar criança, ajudar a família, ter um carro e um teto. Pra viver.  E pra comprar aquela blusinha que eu não preciso, só porque a influencer do Instagram..

Não contrate feministas

Elas são péssimas. Sabem pensar, argumentar, estudam bastante e procuram, o tempo inteiro, uma solução que inclua todo mundo, mas, principalmente, as mães que estão sozinhas pra criar os filhos, muitas delas, pretas; os..