instituto de pesquisa e estudos do
feminino e das existências múltiplas

contato@ipefem.org.br

+55 (11) 91550-1122

instituto de pesquisa e estudos do
feminino e das existências múltiplas

contato@ipefem.org.br

+55 (11) 96403-0065

A fuga do que não pode ser remoto

imagem_2022-10-17_143625885

Como ficarão os postos de trabalho que exigem presença física síncrona no
“novo normal”?

A motorista de ônibus, o professor, a atendente do supermercado, o caminhoneiro, o
garçom, as equipes de enfermagem, da construção civil e todas as pessoas que, para
realizarem os seus trabalhos, precisam estar presentes em local e horários fixos, pois disso
depende a interação com outras pessoas e o desenvolvimento do trabalho em si: qual é o
futuro dessas ocupações?
Diante das promessas sedutoras da internet e das ofertas de empresas que oferecem
posições 100% remotas ou híbridas, como imaginar voltar para um modelo que parece ter
“saído de moda”?
De repente, até o escritório chique parece uma má ideia se exige a presença do time, todo
dia útil em horário comercial, com a já velha fórmula de interação por educação profissional.
Como abrir mão de poder almoçar com a família, levar os filhos na escola, estudar no meio
da tarde – ainda que tudo isso seja, em essência, uma promessa que pode nunca ser
cumprida?
Para aquelas posições que convocam a vocação, aquele íntimo mobilizador da honra e do
propósito, teoricamente, fica mais fácil. A dedicação à saúde, salvar vidas, ensinar crianças
a ler, algo nessa linha (se bem remunerado) pode, ainda, ter algum apelo que nos faça abrir
mãos dos confortos anunciados aos quatro ventos em novas geografias digitais.
Mas e os postos que pouco remuneram, mas muito exigem?
E o desafio de educar todo um povo para um salto tecnológico que permite “codar” do sofá
de casa?
O que acontece quando, diante de dois cenários tão distintos de possibilidades de qualidade
de vida, ampliamos os abismos raciais, sociais e de gênero, oferecendo os melhores lugares,
sempre, às mesmas pessoas?
O “novo normal” pode ser uma armadilha, se seguirmos reproduzindo as lógicas daquele
ontem chamado 2019, mas, principalmente, se continuarmos a anunciar que o trabalho
remoto é um lugar perfeito de conciliação do tempo e descanso – coisa que não é.
A segurança psicológica vai fazer a diferença entre os times de boa performance em saúde
mental e aqueles que podem até entregar alguns resultados financeiros de curto prazo, mas
morrem aos poucos, medicados e no automático.
O equilíbrio ainda demora a chegar, é fruto da evolução de uma mentalidade e de novos
acordos no Capitalismo, que não assistirá o nosso prazer de braços cruzados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos relacionados

A armadilha do parâmetro X a fantasia

Tenho certeza de que você já se desentendeu com alguém ou ficou chateada com alguém sem entender muito bem o porquê. Isso acontece direto no ambiente de trabalho e tem consequências perigosas pra sua..

Cinco decisões para o trabalho remoto perfeito

Como começar a oferecer segurança psicológica pro seu time Duas plataformas de reunião virtual, uma plataforma de gestão de projetos, outraplataforma de comunicação, mais uma plataforma de interação virtual tipo metaverso, umapp de trocar..

A fuga do que não pode ser remoto

Como ficarão os postos de trabalho que exigem presença física síncrona no“novo normal”? A motorista de ônibus, o professor, a atendente do supermercado, o caminhoneiro, ogarçom, as equipes de enfermagem, da construção civil e..